Gripe X Resfriado: entenda a diferença

Gripe X Resfriado: entenda a diferença

Tempo de leitura: 5 minutos

RESFRIADO COMUM:

Uma inflamação aguda e autolimitada da mucosa do trato respiratório superior que pode envolver de forma isolada ou simultaneamente o nariz, a garganta, os seios nasais e a laringe. 

Por ser uma infecção simples do trato respiratório superior dura de poucos dias a poucas semanas (usualmente, menos de duas semanas). Neste tipo de infecção ocorre uma grande destruição do revestimento interno das vias respiratórias pelo vírus. As defesas do organismo do indivíduo afetado reagem, causando mais inflamação. Isso pode fazer com que bactérias que estejam nas vias respiratórias se aproveitem da situação, produzindo muco (catarro) purulento que pode ser expelido pelo nariz ou pela boca. Isto explica porque, em alguns casos, um simples resfriado por vírus pode levar uma pessoa a desenvolver uma pneumonia por bactérias.

A maioria dos resfriados comuns é causada pelo rinovírus, que se apresenta de várias formas. Outros patógenos conhecidos incluem o coronavírus, o vírus da gripe (influenza), o vírus da parainfluenza, o vírus sincicial respiratório e o metapneumovírus. Em geral, nenhum organismo infeccioso é identificado. A reinfecção pode ocorrer após nova exposição ao mesmo subtipo viral, mas a doença geralmente é mais leve e com menor duração. 

Para uma pessoa pegar um resfriado, é necessário que o vírus entre em contato com o revestimento interno do nariz. As viroses que chegam até os olhos ou boca também podem se estender até o nariz. Em alguns casos, a pessoa pode infectar-se pelo vírus através de outra.

É IMPORTANTE OBSERVAR QUE: Não existem evidências de que o resfriamento do corpo possa levar uma pessoa a desenvolver um resfriado. Contudo, o estresse emocional, a fadiga e outros fatores que diminuem os mecanismos de defesa (imunidade) do organismo podem facilitar o surgimento da doença.

Normalmente, os sintomas surgem de 1 a 3 dias após a pessoa entrar em contato com o vírus, e podem durar uma semana, na maioria dos casos. Os sintomas mais comuns são: nariz com secreção (coriza), nariz obstruído, espirros, tosse, irritação da garganta, diminuição do olfato e paladar, rouquidão, febre baixa em adultos e crianças febre moderada a alta. Dores pelo corpo (mialgia), dores de cabeça (cefaleia).

Para o tratamento e instrução do paciente recomenda-se o Paracetamol e o Ibuprofeno, que devem ser administrados concomitantemente com uma ingestão regular de líquidos. É aconselhável se ausentar do trabalho para limitar a disseminação contagiosa no ambiente.

Para outros tratamentos, há evidências conflitantes sobre a eficácia. Os descongestionantes nasais e orais são seguros para adultos e crianças, além de serem consistentemente eficazes, pelo menos quanto à primeira dose. Uma combinação sedativa de anti-histamínico-descongestionante pode ser útil para aliviar a congestão nasal e proporcionar um sono restaurador. As combinações de anti-histamínico-analgésico-descongestionante apresentam algum benefício geral para adultos e crianças mais velhas.

Em casos de febre, cefaleia, sibilância ou agravamento dos sintomas torácicos, deve-se procurar atendimento médico. Se houver sonolência ou confusão mental ou a tosse durar mais de 4 semanas, deve-se procurar atendimento médico adicional.

 GRIPE

Infecção aguda do trato respiratório causada pelo vírus influenza sazonal. O vírus é transmitido por inalação de secreções respiratórias infectadas que foram aerossolizadas por tosse, espirros ou fala.

Existem três tipos deste vírus: A, B e C. O vírus Influenza A pode infectar humanos e outros animais, enquanto que o Influenza B e C infecta só humanos. O tipo C causa uma gripe muito leve e não causa epidemias.

Gripe não é resfriado. A gripe é uma doença com início súbito e mais grave que o resfriado comum. Ela compromete de maneira significativa o estado geral da pessoa, diferentemente do resfriado que geralmente só compromete o nariz e a garganta. O período de incubação – tempo entre o contágio e o início dos sintomas da doença – é de 1 a 4 dias.

Seus principais sintomas compreendem: febre, calafrios, suor excessivo, tosse seca que pode durar até 2 semanas, dores musculares (mialgia) e articulares, fadiga, mal-estar geral, dor de cabeça (cefaleia), nariz obstruído e irritação na garganta. Alguns ou todos os sintomas citados podem estar presentes.

Recomenda-se então aos pacientes infectados, evitar contato próximo com indivíduos não infectados para evitar a transmissão de secreções respiratórias limitando, assim, a disseminação do vírus na comunidade.

Os pacientes devem tomar consciência de que a vacina para influenza sazonal é uma vacina anual cujos componentes refletem as cepas preditas daquela estação. Assim, ela deve ser administrada a cada estação.

Esta patologia não possui um tratamento específico ou cura, por tanto ainda é recomendado o uso de antipiréticos/analgésicos para alívio dos sintomas de cefaleia, febre e mialgia. O ibuprofeno possui um risco maior de efeitos adversos possivelmente graves em comparação ao paracetamol. Os anti-inflamatórios não esteroidais (AINE) zaltoprofeno (Não disponível no Brasil) e loxoprofeno, que estão disponíveis em alguns países, são confirmados como seguros e úteis para pacientes com infecção do trato respiratório superior aguda, incluindo os com gripe.

Em casos grave e persistência de sintomas, o médico deverá ser consultado.

BIBLIOGRAFIA

BMJ Best Pratice Resfriado Comum

ABC da Saúde Resfriado 

BMJ Best Pratice Gripe

ABC da Saúde Gripe

Ministério da Saúde Gripe e Resfriado

Fonte da imagem: Pixabay

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *