Doenças virais: hepatite A

Doenças virais: hepatite A

Tempo de leitura: 8 minutos

A Hepatite A é uma doença infecciosa aguda, causada pelo vírus da Hepatite A (VHA). Este que no corpo dos seres humanos provoca inflamação e necrose do fígado. Sendo sua transmissão a fecal-oral, pelo contato com água, alimentos ou objetos contaminados.

Uma pessoa infectada pelo vírus da Hepatite A pode ou não desenvolver a doença. A hepatite A ocorre em todos os países do mundo, inclusive nos países mais desenvolvidos, porém é comum em locais com baixa infraestrutura e onde há pessoas com baixo nível de instrução e cuidados com higiene básica.

A descoberta do vírus ocorreu em 1975, todavia, na Antiguidade, já se registavam surtos da doença, na altura chamada, icterícia infecciosa, e eram frequentes as epidemias em períodos de guerra e de cataclismos.  

Raramente esta doença é fatal, embora em adultos infectados por uma doença hepática crônica – originada por outro vírus ou pelo consumo excessivo de álcool – a infecção pelo vírus da hepatite A (VHA), possa provocar a falência hepática, conhecida por hepatite fulminante; de outro modo, o risco é muito baixo, da ordem de um para mil ou mesmo para dez mil.

– A infecção pelo vírus da Hepatite A confere imunidade permanente contra a doença.

– Desde 1995 estão disponíveis no Brasil, vacinas contra a Hepatite A que são eficazes e seguras para a população.

O VÍRUS DA HEPATITE A

O vírus da hepatite A é um vírus RNA (a sua informação genética é escrita em uma cadeia de RNA) positivo e monocatenário. Encontra-se por todo o mundo, especialmente em lugares onde as condições de higiene são escassas. Espalha-se através do contato direto ou indireto com material fecal e encontra-se nas fezes da pessoa infectada.

Vírus da Hepatite A – tem uma dimensão de 27 nm, é da família dos picornavírus, tal como o vírus da poliomielite.

Este vírus é muito infeccioso e é a causa mais frequente de hepatite aguda (mais de 50 por cento dos casos), apesar da sua presença no sangue ser diminuta e de curta duração. Uma pessoa que não tenha anticorpos, adquiridos quando teve a hepatite A ou através da vacina, pode ser infectada e transmitir a doença a outros, mas o risco é pequeno no contato ocasional.

O chamado período de incubação, que é maior nas crianças do que nos adultos, dura entre 20 a 40 dias, espaço de tempo em que não se revelam quaisquer sintomas. A infecção pode durar seis meses, mas a maioria dos doentes recupera ao fim de três semanas.

Por ser um vírus altamente infeccioso qualquer contato com fezes contaminadas, pode levar ao desenvolvimento da doença, isso inclui práticas sexuais (cunilingus) e contato indireto com objetos e partes do corpo, contaminados com fezes, que sejam levados à boca.

O ser humano é o único hospedeiro natural do vírus. E a transmissão por seringas e agulhas contaminadas é pouco comum.

O consumo de frutos do mar, como mariscos crus ou inadequadamente cozidos, pode levar também a infecção pela doença, uma vez que eles organismos concentram o vírus por enorme filtrarem grande volume de água contaminada.

O vírus da hepatite A se concentra principalmente no fígado, mas pode também ser encontrado no estomago e no intestino. O vírus não destrói as células do fígado, mas sim o próprio sistema imunológico do doente, que destrói as células infectadas. Na biopsia do fígado, pode-se encontrar alterações necroinflamatórias (inflamação e destruição dos hepatócitos) na região peri-portal e colestase em graus variados.

SINTOMAS

O período de incubação do vírus da hepatite A é de duas a quatro semanas. As pessoas com hepatite A podem ser sintomáticas ou assintomáticas. Em cerca de 70% das crianças com menos de seis anos de idade, a infecção pelo vírus não provoca qualquer manifestação clínica. Por outro lado é geralmente sintomática em adultos.

Os sintomas podem ainda ser tão leves que passam despercebidos ou são confundidos com os de outras viroses. 

Os principais sinais e sintomas notáveis da hepatite A são: fadiga, náuseas e vômitos, dor abdominal, perda de apetite, febre baixa, urina escura, dores musculares e icterícia (pele e olhos amarelados). No entanto, nem todos os pacientes apresentam esses sintomas.

Outros sintomas possíveis, após a primeira manifestação da doença que se traduz na falta de apetite, vômitos, febre e num mal-estar geral, são o aparecimento de pigmentos biliares na urina, a falta de secreção biliar, dor na barriga, aumento do volume do fígado e, em alguns casos, o baço pode também aumentar de volume.

Este tipo de hepatite, deixa o indivíduo extremamente fraco e debilitado; por vezes, a icterícia pode demorar mais tempo a desaparecer, prolongando-se durante dois ou mais meses. Podem também ocorrer de recaídas: um a três meses após o desaparecimento dos sintomas, estes reaparecem e, concomitantemente, os resultados das análises agravam-se podendo este quadro clínico e laboratorial persistir até seis meses. Contudo, a cura acaba por ocorrer em todos os casos.

DIAGNÓSTICO

O diagnostico da hepatite A é feito pela detecção de anticorpos contra o vírus. Os anticorpos aparecem em duas variedades, IgM e IgG, sendo que o primeiro aparece na infecção aguda e o segundo apos a cura, permanecendo por toda a vida e protegendo contra novas infecções. Elevações de AST e ALT ocorrem no quadro agudo e podem demorar até 6 meses para normalizarem.

Antes do teste serológico que permite o diagnóstico do tipo de hepatite são realizadas análises de sangue para avaliar os parâmetros hepáticos, como as transaminases e a bilirrubina. No caso da hepatite A aguda as transaminases apresentam-se muito elevadas e a bilirrubina também está aumentada no sangue.

Nesta doença, não é necessário fazer uma biopsia, mas normalmente faz-se uma ecografia ao fígado para que se possam excluir do diagnóstico outras doenças que causam icterícia.

TRATAMENTO

Não existem medicamentos específicos para tratar esta doença. Este tipo de hepatite trata-se, essencialmente, com repouso, durante a fase aguda, até que os valores das análises hepáticas voltem ao normal e a maioria das pessoas restabelece-se completamente em 3 semanas. 

Também não se recomenda qualquer dieta especial; a alimentação deve ser equilibrada como, aliás, o bom senso indica em todas as ocasiões: rica em proteínas e com baixo teor de gorduras. Nos casos em que surjam diarreia e vómitos, para evitar a desidratação, devem beber-se muitos líquidos, entre os quais não se inclui o álcool, já que este, mesmo em pequena quantidade, agrava a lesão do fígado. As náuseas e a falta de apetite fazem-se sentir com maior intensidade no final do dia e, por essa razão, a refeição mais completa deve ser tomada durante a manhã.

E como o fígado inflamado perde a capacidade de transformar os medicamentos e por isso alguns tornam-se tóxicos e agravam a doença. Alguns fármacos, especialmente narcóticos, analgésicos, tranquilizantes ou fitoterápicos não se devem tomar a não ser que o médico os recomende.

PREVENÇÃO

As medidas gerais para a prevenção da hepatite A são higiênicas (lavar as mãos, usar água potável, lavar os alimentos e ter rede de esgoto e manter a higiene pessoal). No caso de exposição ao vírus, pode ser utilizada a imunoglobulina A para prevenir o aparecimento da doença, sendo eficaz em 85% dos casos se administrada em até 10-14 dias.

As vacinas com o vírus inativado se mostraram seguras e eficazes, conferindo proteção de 94-100% após 2-3 doses, por 5 a 20 anos.

REFERÊNCIAS

-Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais [Hepatite A]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pagina/hepatite-a

– Roche [Tipos de Hepatite – A]. Disponível em: http://www.roche.pt/hepatites/hepatitea/index.cfm

– Centro de Informação em Saúde a Viajantes – CIVES [Hepatite A]. Disponível em: http://www.cives.ufrj.br/informacao/hepatite/hepA-iv.html

– Hepcentro – Hepatologia Médica[Hepatite A]. Disponível em: http://www.hepcentro.com.br/hepatite_a.htm

– Abc Med [Hepatite A: Conceitos]. Disponível em: http://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/741047/hepatite+a+conceito+causas+sintomas+diagnostico+tratamento+prevencao+evolucao+e+possiveis+complicacoes.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *