Adianta usar máscaras para se proteger contra o Covid-2019?

Tempo de leitura: 3 minutos

Desde o aparecimento dos primeiros casos do novo coronavírus chinês, o que mais tem se visto são imagens de asiáticos, especialmente chineses, usando máscaras para andarem nas ruas, aeroportos ou em qualquer outro espaço público. Isso porque já foram notificadas mais de 600 mortes e mais de 70.000 casos de infecção do vírus, provisoriamente chamado de 2019-nCoV, cujo epicentro da pandemia é a China.

Nesse contexto, as máscaras faciais, incluindo as de estilo cirúrgico, tem sido a “melhor opção” para pessoas se protegerem de novas transmissões. Só que essa afirmação não é completamente verdadeira, porque elas não bloqueiam a respiração, de forma segura, contra os germes. Além disso, essa pode, simplesmente, ser uma leitura errada do “ocidente” sobre o seu uso.

ENTENDA O DILEMA

Quando o indivíduo inspira, a máscara filtra o ar e as partículas, que acima de um determinado tamanho não conseguem passar pela barreira física do tecido. Essa é a principal ideia por trás de se usar uma máscara, inclusive do modelo mais usado por médicos e profissionais da saúde, a N95. Essa opção também é conhecida pelo nome de respirador de partículas.

No rosto da pessoa, a máscara deve estar bem ajustada e funciona muito bem, quando há muita fuligem ou fumaça no ar, por exemplo. As próprias autoridades de saúde chinesas recomendam o uso delas para a equipe do hospital, responsável por tratar pacientes com suspeita do novo coronavírus.

No entanto, esse modelo indicado costuma ser (muito) diferente do que a maioria das pessoas utiliza nas ruas. Nessas circunstâncias, são normalmente usadas uma simples máscara cirúrgica, que não foi projetada para bloquear partículas de um tamanho específico. Além disso, os vírus costumam ser menores que as partículas de fuligem.

Outra importante questão é que as máscaras cirúrgicas não são justas o suficiente no rosto do indivíduo. O que significa que o ar pode entrar facilmente no espaço entre a máscara e a pele, fazendo com que o indivíduo respire de uma certa quantidade de ar não filtrado.

Em outras palavras, essas máscaras (independentes do modelo) só podem fornecer uma proteção adicional para o usuário contra as maiores gotículas de fluidos corporais, como as partículas que saem de um espirro ou tosse. Afinal, não filtram o ar da maneira ideal.

É importante salientar que, nos países asiáticos, é cultural que pessoas com infecções respiratórias usem máscaras para evitar a disseminação da doença para os demais membros da população. A ideia aqui é evitar a transmissão e não o contágio.

QUAL A RECOMENDAÇÃO?

O CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) dos Estados Unidos não recomenda nenhum dos modelos para a proteção diária contra germes de pessoas possivelmente infectadas. Caso a pessoa esteja em trânsito para outro país, a recomendação para evitar contaminações é lavar as mãos com frequência, por exemplo.

O Ministro da Saúde brasileiro, Luiz Henrique Mandetta, também destaca as ações de higiene para diminuir os possíveis casos de contaminação, como “lavar as mãos, evitar espirrar e tossir sem proteger a pessoa que está na sua frente, evitar tocar nos olhos, nariz, boca e evitar tocar pessoas que estejam doentes.”

Afinal, as máscaras não foram desenvolvidas para que o indivíduo se proteja de outras pessoas, mas para proteger outras pessoas de seus próprios germes. Quando o paciente doente tosse ou espirra, todas essas gotículas são filtradas no interior da máscara, evitando a disseminação de substâncias potencialmente carregadas de vírus.

Com informação de:

Ministério da Saúde do Brasil – MS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *